Erro Médico: Causas, Consequências e Prevenção.


Na complexa relação entre médico e paciente, o erro médico se configura como uma realidade indesejável, mas presente, com implicações éticas, penais, cíveis e profissionais que impactam a vida de todos os envolvidos. Compreender as nuances desse tema é fundamental para promover a segurança do paciente, a valorização da boa prática médica e a construção de um sistema de saúde mais justo e confiável.

O que é Erro Médico?

O erro médico se caracteriza como a falha do profissional de saúde em cumprir seus deveres de cuidado, gerando danos ao paciente. Essa falha pode se manifestar de diversas formas, como:

  • Diagnóstico incorreto ou tardio: Um diagnóstico equivocado pode levar a um tratamento inadequado, agravando o quadro clínico do paciente ou retardando a recuperação.
  • Prescrição incorreta de medicamentos: A dosagem incorreta, a escolha inadequada de medicamentos ou a interação medicamentosa prejudicial podem causar graves efeitos colaterais e até mesmo o óbito do paciente.
  • Falhas em procedimentos médicos: Erros durante cirurgias, exames ou outros procedimentos médicos podem ocasionar danos físicos, sequelas irreversíveis ou até mesmo a morte do paciente.
  • Falta de atenção ou negligência: A falta de acompanhamento adequado do paciente, a omissão de informações importantes ou a desconsideração de sinais e sintomas podem comprometer o tratamento e gerar danos à saúde do paciente.

Repercussões do Erro Médico

As consequências de um erro médico podem ser devastadoras para o paciente, sua família e o próprio profissional da saúde. Entre as principais repercussões, podemos destacar:

  • Danos à saúde do paciente: O erro médico pode causar desde leves incômodos até danos físicos irreversíveis, sequelas graves e até mesmo a morte do paciente.
  • Sofrimento emocional e psicológico: O paciente e sua família podem sofrer angústia, medo, insegurança e outros transtornos psicológicos em decorrência do erro médico.
  • Custos com tratamento: O erro médico pode gerar a necessidade de novos tratamentos, cirurgias reparadoras, internações prolongadas e outros procedimentos médicos, onerando o paciente e o sistema de saúde.
  • Danos à reputação do profissional: Um erro médico pode comprometer a reputação do profissional, afetando sua carreira e dificultando sua atuação profissional.
  • Processos judiciais: O paciente pode ingressar com ação judicial contra o profissional e/ou a instituição de saúde para buscar reparação pelos danos sofridos.
  • Sanções profissionais: O Conselho Regional de Medicina pode aplicar sanções ao profissional, como advertência, censura, suspensão do exercício da medicina ou até mesmo cassação da licença médica.

Aspectos Éticos do Erro Médico

A ética médica exige que o profissional atue com zelo, diligência, competência e responsabilidade, buscando sempre o melhor para o paciente. O erro médico, portanto, configura-se como uma falha ética, pois viola os princípios básicos da profissão médica e coloca em risco a saúde e o bem-estar do paciente.

É fundamental que o profissional da saúde reconheça seus erros, assuma a responsabilidade por seus atos e tome as medidas cabíveis para reparar os danos causados ao paciente. A comunicação aberta e transparente com o paciente e sua família é essencial para construir um relacionamento de confiança e minimizar os impactos negativos do erro médico.

Aspectos Penais do Erro Médico

O Código Penal Brasileiro prevê crimes específicos relacionados ao erro médico, como:

  • Homicídio culposo: Causar a morte do paciente por negligência, imprudência ou imperícia.
  • Lesão corporal culposa: Causar lesão corporal ao paciente por negligência, imprudência ou imperícia.
  • Aborto culposo: Causar o aborto da paciente por negligência, imprudência ou imperícia.
  • Omissão de socorro: Deixar de prestar socorro à vítima de um crime ou de um acidente, podendo fazê-lo sem risco pessoal.

A caracterização do crime depende das circunstâncias específicas de cada caso, sendo necessária a análise por um profissional do direito para determinar se o erro médico configura um crime e qual a pena cabível.

Aspectos Cíveis do Erro Médico

O paciente que sofre danos em decorrência de um erro médico pode buscar reparação por meio de ação judicial. A indenização pode ser por danos materiais (custos com tratamento, medicamentos, etc.) e por danos morais (sofrimento emocional, dor e sofrimento, etc.).

Para a procedência da ação judicial, é necessário comprovar a culpa do profissional da saúde, o dano sofrido pelo paciente e o nexo causal entre ambos. A prova do erro médico pode ser feita por meio de laudos médicos, prontuários, testemunhas e outros elementos de prova.

É importante ressaltar que a responsabilidade civil pelo erro médico pode ser tanto do profissional da saúde quanto da instituição de saúde em que ele atua. A responsabilidade solidária significa que o paciente pode cobrar a indenização de qualquer um dos envolvidos, ou de todos eles ao mesmo tempo.

Prevenção do Erro Médico

A prevenção do erro médico é um compromisso de toda a comunidade médica e do sistema de saúde como um todo. Diversas medidas podem ser tomadas para minimizar a ocorrência de erros, como:

  • Aprimoramento da formação médica: Investir em educação médica de qualidade, com foco na atualização constante dos profissionais, na prática baseada em evidências e no desenvolvimento de habilidades de comunicação e trabalho em equipe.
  • Implementação de protocolos de segurança: Adotar protocolos de segurança padronizados para procedimentos médicos, garantindo a padronização das práticas e a minimização de riscos.
  • Cultura de comunicação aberta: Promover uma cultura de comunicação aberta e transparente entre profissionais da saúde, pacientes e familiares, incentivando a notificação de erros e eventos adversos e a análise crítica dos casos.
  • Uso de tecnologias de informação: Implementar sistemas de informação em saúde que facilitem o acesso a dados e informações relevantes para o diagnóstico e tratamento dos pacientes, reduzindo o risco de erros por falta de informações.
  • Humanização do atendimento: Humanizar o atendimento médico, priorizando a escuta ativa do paciente, a empatia e a construção de uma relação de confiança entre médico e paciente.

Conclusão

O erro médico é um problema complexo que exige soluções multifacetadas. Através da compreensão das suas causas, consequências e da adoção de medidas preventivas, podemos trabalhar para um sistema de saúde mais seguro, eficiente e humanizado, onde a segurança do paciente seja a prioridade absoluta.

Referências Bibliográficas

  • BRASIL. Código de Processo Civil. Brasília: DF, 2015.
  • BRASIL. Código Penal. Brasília: DF, 1988.
  • CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Código de Ética Médica. Brasília: CFEM, 2019.
  • DIDIER Jr., Fredie; CUNHA, Leonardo Carneiro da; FERRAZ, Tércio Sampaio; OLIVEIRA, Marcelo Abel de. Curso de Direito Processual Civil. 22ª ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2021.
  • MACHADO, Nelson Nery. Curso de Direito Processual Civil. 52ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2021.
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
inpebwp

inpebwp

Novos Artigos:

Grafotécnica

A Importância da Perícia Grafotécnica

Relacionado: Perícia, Grafotécnica O trabalho do Perito Grafotécnico é essencial em casos de crimes contra a honra, como difamação, calúnia e injúria,

Dúvidas ou sugestões?
ENVIE UMA MENSAGEM